UFSJ lança Programa Saúde Menstrual em São João del Rei

O Programa Saúde Menstrual representa um lançamento da Pró-Reitoria de Assuntos Estudantis (Proae). A medida tem o intuito de combater situações de precariedade menstrual de estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica. A intervenção abrange a distribuição de absorventes.

A pessoa interessada em participar precisa ter matrícula regulada em, pelo menos, três disciplinas no semestre da solicitação. Sendo assim, o prazo para se inscrever irá até o dia 31 de agosto, através deste formulário. O Edital Proae 07/2022 tem todas as informações disponíveis.

Em princípio, o Programa possui como público prioritário os alunos beneficiados pelos auxílios oferecidos pela PROAE (Moradia Estudantil, Programa de Avaliação Socioeconômica, Creche ou Emergencial). Se a oferta for maior que a demanda, vão poder ser contemplados os estudantes excedentes nos editais 2021/1, 2021/2 e 2022/1 do Processo de Avaliação Socioeconômica (Pase).

“Com base nas informações divulgadas pela imprensa e em campanhas semelhantes, a UFSJ criou o Programa Saúde Menstrual, visando proporcionar condições de higiene adequadas aos estudantes que se encontram em situação de precariedade menstrual. Como os municípios onde a Universidade tem campi não possuem ações nesse sentido, consideramos fundamental assegurar esse direito”, contou a pró-reitora de Assuntos Estudantis, Janice Carvalho, em entrevista ao site Mais Vertentes.

Prefeitura de BH decide por manutenção do uso de máscara em ambientes fechados

Na última terça-feira (26), o prefeito de Belo Horizonte, Fuad Noman (PSD), se reuniu com o grupo da Secretaria Municipal de Saúde (SMS). O encontro teve como ponto de debate a avaliação dos resultados do uso de máscaras em ambientes fechados. O objeto ganhou obrigatoriedade desde o último dia 14 de junho, e permanecerá até o próximo dia 15 de agosto, conforme nova decisão.

A medida foi prolongada e comunicada pela prefeitura na manhã desta quarta-feira (27). De acordo com o Executivo, a solução teve influência do Grupo Técnico da Secretaria Municipal de Saúde em um debate com o prefeito. A obrigatoriedade vai ser mantida por conta do surgimento da variante BA5, que possui alto grau de transmissão, na região.

Além disso, outros fatores como o retorno presencial das aulas a partir de 1° de agosto e a baixa cobertura vacinal do público infantil também foram compreendidos. Dessa maneira, a permanência deve ser concretizada nos equipamentos e serviços de saúde da cidade, públicos ou particulares, e no transporte coletivo.

“Continuaremos monitorando todos os índices diariamente para basear as decisões a serem tomadas. Mas é muito importante que a população contribua e mantenha a vacinação em dia para evitar as formas mais graves da doença e, consequentemente, internações . Os pontos de imunização estão abertos diariamente e espalhados pelas nove regionais da cidade para ampliar o acesso dos usuários”, reforça a secretária municipal de Saúde, Cláudia Navarro.

Outros locais, a exemplo das estações de embarque e desembarque de passageiros, self-service dos restaurantes também aparecem no protocolo. Segundo um levantamento feito pela Secretaria Municipal de Saúde, mais de 80% das pessoas internadas pela Covid-19 não possuem vacinação ou não têm o esquema vacinal 100% completo.

Procon-MG aplica punição em operadora de plano de saúde por insegurança contratual

Uma operadora foi multada pelo Procon do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) no valor de R$ 10,8 milhões. A razão foi ter solicitado um cliente para que cumprisse aviso prévio de 60 das para cancelar o plano de saúde. De acordo com o órgão, a empresa estava obtendo vantagem excessiva ao promover essa previsão contratual.

No caso avaliado pelo Procon-MG, o usuário havia solicitado a suspensão do contrato em maio de 2019. Nesse período, a Resolução Normativa 195/2009 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) enfatizava que a lei que estabelecia esse prazo de dois meses em casos “sem motivação maior”, já havia sido suspensa em outubro de 2018.

Mediante a decisão administrativa do órgão, a cobrança não apresenta veracidade, além de ser intitulada de infração ao Código de Defesa do Consumidor. Além disso, a lei destaca que são nulas as cláusulas que “estabeleçam obrigações consideradas iníquas, abusivas, que coloquem o consumidor em desvantagem exagerada, ou sejam incompatíveis com a boa-fé ou a eqüidade”.

Secretaria de Saúde de São João del Rei realiza “Dia D” de vacinação plural

A Secretaria Municipal de Saúde de São João del Rei realizará, neste sábado (25), o “Dia D” da vacinação contra influenza, sarampo e Covid-19. A partir das 8h, os postos de saúde vão estar abertos até às 17h. Nesse sentido, a população vai poder atualizar a carteira de vacinação e aumentar a cobertura vacinal no município.

Segundo a Secretaria de Saúde, a vacinação contra o sarampo tem como público específico as crianças de 6 meses e até 5 anos de idade, além de profissionais da saúde. Os são-joanenses acima dessa faixa também podem buscar os postos para receber as doses contra o coronavírus.

Ainda assim, as vacinas contra a gripe e a Covid-19 podem ser aplicadas no mesmo dia. Contudo, para crianças entre 5 e 11 anos de idade, não é recomendado, pois é necessário o cumprimento do período de 15 dias entre as doses. Por outro lado, a vacinação contra a influenza é endereçada à grupos prioritários específicos.

São eles: crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade; idosos a partir dos 60 anos de idade; profissionais da saúde; gestantes e puérperas; professores; povos indígenas; profissionais das Forças Armadas, de segurança e salvamento; pessoas com comorbidades; pessoas com deficiência permanente; trabalhadores de transporte coletivo; caminhoneiros; e população privada de liberdade.

Minas Gerais registra 4ª morte por raiva humana, além de seis casos suspeitos da doença

O estado de Minas Gerais confirmou a morte de número quatro por raiva humana, assim como o sexto caso proveniente da doença em estado de investigação. Os dados forma relatados pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) nesta sexta-feira (17).

A vítima mais recente é uma menina indígena de 4 anos, residente de Bertópolis, no Vale do Jequitinhonha. Ela chegou a ser transferida para o Hospital de Pronto Socorro João XXIII, em Belo Horizonte, após apresentar sintomas neurológicos da doenças, porém sequer resistiu e morreu no dia 28 de maio.

Já no último dia 10 de junho (sexta-feira), ficou contestado que a garota estava com raiva humana. Pertencente à tribo Maxakali, ela apresentava quadro de encefalite viral – enfermidade correspondente a uma infecção do sistema nervos que afeta o cérebro.

https://twitter.com/SaudeMG/status/1534938719484010496

Ainda de acordo com a SES, a paciente não apresentava sinais de mordedura ou arranhadura por morcego. Existe ainda um caso suspeito que foi afastado e um caso suspeito em processo de investigação. Acima de tudo, todos os casos confirmados pertenciam a crianças ou adolescentes da zona rural de Bertópolis.

O primeiro é de um paciente de 12 anos, do sexo masculino, que morreu no começo de abril. O segundo pertence a uma adolescente, também de 12, atestado em 19 de abril. Conforme a SES-MG, os casos têm relação com mordidas pelo mesmo morcego.

Já o terceiro caso foi evidenciado em 26 de abril deste ano, após os exames mostraram que um menino, de 5 anos, ter falecida em função da enfermidade. De acordo com o Governo de Minas Gerais, a criança não mostrava sinais de mordedura por morcego.

Um adolescente de 17 anos, morador de Teófilo Otoni, no Vale do Mucuri, é mais um caso em investigação pela doença, isto é, o sexto. Este caso foi notificado no último dia 13 de junho. Para prevenir novos óbitos, o estado acatou a medidas emergenciais, como a vacinação imediata de mais de 2 mil pessoas e animais da região.

Bombeiros auxiliam em partos durante madrugada em Conselheiro Lafaiete

O Corpo de Bombeiros de Conselheiro Lafaiete, município de Minas Gerais, realizou na última terça-feira (14), mais de um parto. Durante a madrugada do dia, a 2ª Companhia da corporação auxiliou uma gestante. A mulher estava com 37 semanas de gestação e acionou os militares ao sentir as contrações se intensificarem mediante o parto.

De acordo com o CB militar, no momento que a guarnição de bombeiros chegou ao local, a gestante já estava em trabalho de parto no quarto de sua casa. Chefiada pelo 3° Sargento Amilton, a equipe de resgate composta por Cabo Priscila e Soldado Vivas auxiliaram no nascimento do menino.

Surpreendentemente para os pais e militares, o recém-nascido apareceu de forma rápida. Quando a guarnição de bombeiros chegou ao local, ele já estava nos braços da mãe. Dessa maneira, os bombeiros então realizaram os procedimentos específicos e as técnicas de emergências obstétricas.

Após o corte do cordão umbilical, a desobstrução das vias aéreas do recém-nascido e a manutenção do bebê aquecido, tanto a mãe quanto o filho foram encaminhados para a maternidade onde receberam os devidos e necessários cuidados médicos.

Casos suspeitos de varíola de macacos são investigados por Minas Gerais

Mais dois casos suspeitos de varíola de macacos estão em investigação pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG). Um deles é de um habitante de Belo Horizonte e outro de uma pessoa que vive em Ouro Preto, na Região Central do estado. Já um terceiro caso está em investigação em Ituiutaba, no Triângulo Mineiro.

Já descartado, o quarto caso foi notificado em Uberlândia. Nenhum caso foi confirmado no estado até o momento. De acordo com a SES, até o momento, os casos suspeitos não possuem histórico de deslocamentos ou viagens para o exterior. As análises das amostras estão sob responsabilidade da Fundação Ezequiel Dias (Funed).

Acima de tudo, os sintomas inicias englobam: febre, dor de cabeça, dores musculares, dor nas costas, gânglios (linfonodos) inchados, calafrios e exaustão. Para além disso, após mais de 1.600 casos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) colabora com especialistas para renomear a varíola dos macacos com um novo nome.

A iniciativa é gerada após mais de 30 cientistas escreveram na semana passada sobre a “necessidade urgente de um (nome para a doença e para o vírus) que não seja discriminatório nem estigmatizante”. Existem diversas referências indevidas e discriminatórias ao vírus como sendo africano, para o grupo de pesquisadores, que sugeriu o nome hMPXV.

Em países onde tem o status de endêmica (presente numa região de forma permanente, com números constantes por vários anos), a doença matou 72 pessoas, como áreas de floresta tropical na África Central e na África Ocidental.

Homem armado recebe PM e é baleado dentro de apartamento em Belo Horizonte

Um homem morreu, na última quarta-feira (8), à base de cinco tiros dentro do quarto de um apartamento no bairro Palmital, em Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o boletim de ocorrência, um policial militar desferiu contra Wellington Araújo de Jesus. Ele estava armado, agachado no meio de uma cama e de uma cômoda.

Ao chegar ao local do ocorrido em função de uma denúncia anônima, a PM foi recebida por Wellington armado. Ele era suspeito de homicídio, roubo e tráfico de drogas. Ainda segundo o boletim de ocorrência, Wellington tentou fugir para o quarto, mas acabou encurralado por dois militares. Um dos agentes ordenou para que ele soltasse a arma, porém não teve acordo.

Posteriormente, o policial disparou cinco vezes. Wellington chegou a ser levado para a Santa Casa de Lagoa Santa. Contudo, ele não resistiu e morreu ao dar entrada na unidade de saúde. Já a arma do policial foi apreendida e se encontra disponível para análise e investigação da Justiça Militar.

Campanha de vacinação contra a gripe e sarampo é prorrogada em MG

O combate a gripe e ao sarampo ganhou, pelo menos, mais umas três semanas no estado de Minas Gerais. Em decorrência da falta de alcance ao público alvo aguardado, a campanha de vacinação foi adiada para o próximo dia 24 de junho. A recomendação foi feita pelo Ministério da Saúde.

Com a alteração, os imunizantes vão permanecer sendo encaminhados, de forma exclusiva, aos mesmos grupos prioritários: idosos, crianças menores de cinco anos, gestantes, trabalhadores da saúde e outros. O principal objetivo é alcançar as metas estabelecidas pelo governo federal.

As coberturas vacinais sobre a influenza e o sarampo estão abaixo das expectativas definidas. No estado mineiro, o alvo era de imunizar 90% do público alvo contra a gripe, porém apenas 54,6% das pessoas prioritárias procuraram e adquiriram a vacina.

Já a campanha contra o sarampo, o índice alcançado compreendeu 47%, número muito abaixo da previsão inicial de 95%, para crianças de seis meses a menores de 5 anos e trabalhadores da saúde.

De acordo com a Secretária de Estado de Saúde (SES-MG), as vacinas estão sendo  obtidas gratuitamente e permanecem à disposição dos públicos selecionados nas Unidades Básicas de Saúde em todo o Estado.

Podem se vacinar contra a gripe grupos como crianças de 6 meses a menores de 5 anos, idosos, trabalhadores da saúde, gestantes e puérperas, povos indígenas, professores, pessoas com deficiência permanente ou com comorbidades.

Outros públicos atendidos são: forças de segurança e salvamento e forças armadas, trabalhadores portuários ou do transporte coletivo de passageiros e caminhoneiros, funcionários do sistema de privação de liberdade, população privada de liberdade e adolescentes e jovens em medidas socioeducativas.

Já no âmbito da vacinação contra o sarampo, apenas os trabalhadores da saúde estão sendo selecionados neste momento.

Novo caso suspeito de hepatite aguda infantil é registrado em Juiz de Fora

A Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) comunicou, na manhã desta quinta-feira (12), a identificação do segundo caso suspeito de um tipo de hepatite aguda infantil com causa desconhecida em Juiz de Fora.

Na última semana, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou um alerta sobre a doença. No começo desta semana, o primeiro caso em investigação foi publicado pela SES-MG no município.

Conforme o Executivo, uma criança de 9 anos foi contaminada e esteve hospitaliza em fevereiro deste ano.

Ainda de acordo com o Estado, Minas Gerais possui outros quatro casos em apuração e investigação. Dois deles são da capital Belo Horizonte e outros dois em Juiz de Fora.

Até o momento, a doença já circulou mundialmente em 200 casos diferentes. Apenas no Brasil, o Ministério da Saúde apontou que 28 casos suspeitos da doença têm sido monitorados.

Os casos iniciais da doença em escala internacional foram sinalizados em 5 de abril, data em que a autoridade responsável do Reino Unido notificou a OMS de 10 casos de hepatite aguda grave de causa desconhecida em crianças pequenas.

A faixa compreendia também o fato de não ter doenças prévias nessas pessoas com idades entre 11 meses e 5 anos, na Escócia.

No que diz respeito ao mundo, os Estados Unidos possuem 109 casos sob investigação. Destes, cinco deles foram fatais, conforme a agência France Press.

O CDC verificou ainda que “a vacinação contra a Covid-19 não é a causa da doença”.